Receitas

Suco verde

Eu sou do tipo de acorda super cedo sem despertador. O sol nasce e eu levanto junto com ele e minhas manhãs são a parte mais criativa e produtiva do meu dia.

001

Meu café da manhã preferido é o mais simples possível: pão integral ou tapioca, patê de grão de bico, pesto, grãomelete, smoothie ou o bom e velho suco verde e frutas variadas são algumas das opções que eu como pela manhã. Eu gosto muito de tomar o suco verde, porque me sinto mais leve e me sinto muito bem. A receita do meu suco é feita na centrífuga e é muito flexível, dá pra usar o que tiver na geladeira ou frutas da estação que são mais baratas.

Essa receita é uma em um milhão de combinações que você pode experimentar:

4 folhas de couve manteiga

2 pepinos

5 maçãs

1 cenoura grande (ou 2 pequenas)

1 pedaço de mais ou menos 1cm de gengibre

3 talos de salsão

2 limões sem casca

Lave bem os ingredientes e centrifugue tudo. Adoro tomar esse suco como a primeira refeição do dia. Ele ajuda a acordar o intestino e a acelerar o metabolismo.

Anúncios
Horta em casa · Lixo zero

Vamos falar sobre compostagem?

Quando eu me mudei para o sítio, eu era a ansiedade em pessoa para montar hortas e mais hortas, mas com pouco tempo eu aprendi que a vida aqui era muito mais do que isso. As árvores e outras plantas precisam ser manejadas, cuidadas, podadas. Elas se renovam periodicamente produzindo muita folha seca. E na época dos frutos, se o cuidado não for redobrado, a população de moscas e insetos locais cresce, por ter muito alimento.

E foi numa loucura de ter três mangueiras lotadas de mangas, e muitas delas se estragando, que nasceu a primeira composteira daqui (hoje são cinco), feita de pallets. Essa primeira composteira recebeu as mangas que se espalhavam pelo chão, muita folha seca, restos da cozinha de cascas de verduras e frutas. Como na época eu sabia pouco sobre o assunto, acabou que demorou mais tempo do que devia para o composto ficar pronto, mas serviu de experiência para as composteiras seguintes.

IMG_20170309_165346
Mudinhas de açafrão com cobertura de palha de coqueiro triturada

Como funciona a compostagem?

Na compostagem, os fungos e bactérias fofinhos degradam toda a matéria orgânica, resultando um composto rico em nutrientes para as plantinhas. E é ela que te proporciona o aproveitamento de pelo menos 40% de todo o lixo produzido na sua casa. Sim, eu vi o meu lixo semanal diminuir quase pela metade como um passe de mágica.

A sua composteira pode ser feita de baldes plásticos, comprada na internet (tem vários sites que vendem umas bem bonitas) ou pode ser apenas uma pilha no seu quintal. Em apartamentos é melhor usar composteiras menores e que usem minhocas para acelerar o processo. No quintal, você pode optar por não usar minhocas e fazer a composteira no chão. Aqui no sítio, as composteiras são feitas no chão e tem uma variedade enorme de pequenos animais que vem ajudar no processo de compostagem, de todas as cores e tamanhos. As minhocas aparecem sempre no final do processo pra se alimentar, elas tem gostado tanto do trabalho de recuperação do solo que estamos fazendo por aqui que é fácil achar elas por toda a horta. O mais importante é que são todas livres para ir e vir na hora que quiserem e por isso, um bom indicador de solo fértil.

comp
As primeiras composteiras ninguém nunca esquece

Ingredientes para uma boa compostagem

Uma boa proporção de materiais para a sua compostagem é: uma parte de material fresco (nitrogênio) para 2 ou 3 partes de material seco (carbono). O material fresco são os restos e cascas de frutas, verduras e legumes, sachês de chá, borra e filtro de café e casca de ovos (se você consumir). Aqui em casa, nós não tomamos café, então acabo trazendo a borra de café lá do escritório. O material seco são folhas secas, raspa de madeira.

Os restos de poda de plantas também podem ser acrescentados na composteira (no caso de composteiras maiores) e poda de grama (para todos os tamanhos de composteira). Aqui no sítio, usamos poda de grama (do vizinho) para cobrir os canteiros e o que sobra vai para a compostagem.

Outros dois ingredientes importantíssimos são oxigênio e água. Sim, sua composteira precisa “respirar” para que o processo realizado pelas bactérias e fungos funcione direitinho. E ela deve estar sempre úmida para acelerar o processo.

Não coloque na sua composteira restos de comida cozida e oleosa, nem restos animais (carne ou leite/iogurte) e evite frutas cítricas. Se a sua compostagem for feita no chão, dá para acrescentar um pouco de cascas de frutas cítricas, mas sem exagero.

Quando terminar de montar sua pilha, a última camada deve ser de material seco, para evitar incidência de moscas.

IMG_20170314_141224548
Folhas em processo de decomposição

E depois da pilha montada?

Verifique sempre se a sua pilha está úmida. Se estiver muito seca, acrescente um pouco de água, mas tenha cuidado para não encharcar a pilha, pois água de mais ou de menos desaceleram o processo.

Revire e misture sua pilha pelo menos uma vez por semana. No auge da compostagem, sua pilha pode chegar até a 70ºC e revirar ajuda a aerar, misturar os materiais e distribuir melhor o calor.

Dependendo do tipo e dos materiais que forem adicionados na sua composteira e da quantidade de água, o processo pode durar de 20 dias até alguns meses. Se a sua composteira usar minhocas, elas vão começar o trabalho delas quando o calor da pilha começar a diminuir. Aqui no sítio, o composto é revirado semanalmente e fica pronto numa média de 30 dias.

Você vai saber quando o composto estiver pronto, quando ele for uma terra escura e uniforme. Para adubar as plantas, coloque uma camada de 2 a 3 centímetros de composto no “pé” da planta. Com as regas (ou chuva), os nutrientes irão penetrar no solo e serão absorvidos pelas raízes.

Se você usar composteiras de baldes ou aquelas bonitonas que são vendidas pela internet, você vai poder coletar o chorume, que é um biofertilizante maravilhoso. Dilua ele na proporção de 1 parte de chorume para 10 partes de água e borrife nas suas plantinhas.

Para montar sua composteira gastando pouco dinheiro, dá uma olhada nesse post do Ciclo Vivo: Aprenda a fazer uma composteira caseira

Dicas Fantásticas

Cálcio na alimentação vegana

Vamos falar um pouco sobre o cálcio? – Muitas pessoas pensam no leite como a única ou principal fonte de cálcio existente, mas além de ele ter sido desenvolvido pela natureza especialmente para o bezerro, ele acidifica seu corpo, aumentando a sua perca de cálcio.

img_20161001_073520

Muitas pessoas evitam o consumo de leite, pois ele contém gordura saturada, colesterol, proteína alergênica, lactose, e traços frequentes de contaminação, ou simplesmente porque elas não se sentem bem após consumir leite e derivados. O leite também é ligado à diabetes tipo 2 e outras condições sérias. Felizmente, existem muitas outras excelentes fontes de cálcio.

Manter os seus ossos fortes depende mais da prevenção da perca de cálcio do seu corpo do que aumentar a sua ingestão. Algumas culturas consomem pouco ou nenhum derivado do leite e normalmente consomem menos do que 500 miligramas de cálcio por dia. Entretanto, essas culturas normalmente tem baixas taxas de osteoporose. Muitos cientistas acreditam que falta de exercício e outros fatores tem mais influência na osteoporose do que a ingestão de cálcio.

Cálcio no corpo

Quase todo o cálcio do corpo está nos ossos. Existe uma pequena quantidade na corrente sanguínea, que é responsável por funções importantes como contração muscular, manutenção do batimento cardíaco e transmissão dos impulsos nervosos.

Nós perdemos cálcio da corrente sanguínea regularmente pela urina, suor e fezes. Ele é renovado com o cálcio dos ossos ou proveniente da alimentação. Os ossos são constantemente desgastados e refeitos. Até os 30 anos mais ou menos, nós fazemos mais ossos do que perdemos. Depois, os ossos tendem a se desgastar mais do que serem feitos. A perda de muito cálcio dos ossos pode levar a ossos fracos ou osteoporose. A velocidade da perca do cálcio depende, em parte, do tipo e da quantidade de proteína que você consome, como também das escolhas alimentares e do estilo de vida.

Reduzindo a perca de cálcio

Um certo número de fatores afetam a perca de cálcio do corpo:
– Dietas com elevado consumo de proteína causam maior perda de cálcio pela urina. A ingestão de proteína animal é mais propensa a causar perca de cálcio do que a ingestão de proteína vegetal. Essa pode ser a maior razão porque vegetarianos tendem a ter ossos mais fortes do que não-vegetarianos.
– Dietas com elevado consumo de sódio (sal) aumentam a perda de cálcio pela urina.
– Cafeína aumenta a taxa à qual o cálcio é perdido através da urina.
– Fumar aumenta a perda de cálcio do corpo.
Um certo número de fatores aumentam a construção óssea no nosso corpo:
– Exercício é um dos mais importantes fatores para a manutenção da saúde óssea.
– Exposição à luz solar (até às 10h, e após às 16h), permite que o corpo produza vitamina D.
– Ingerir uma grande variedade de frutas e vegetais ajuda a manter o cálcio nos ossos.
– Consumir cálcio de fontes vegetais, especialmente de vegetais verde escuros e feijões, fornece um dos blocos de construção para a construção de ossos.

Fontes de cálcio

Exercício e uma dieta com moderada ingestão de proteína irão ajudar a proteger seus ossos. Pessoas que são vegetarianas e que são ativas, provavelmente tem menos necessidade de cálcio. Entretanto, é importante ingerir alimentos ricos em cálcio todos os dias.

Alguns exemplos de cálcio nos alimentos:

Alimento
Cálcio (mg)
Brócolis – 1 xícara, cozido
62
Abóbora – 1 xícara, cozida
84
Cenoura – 2 médias, crua
40
Couve-flor – 1 xícara, cozida
20
Couve-manteiga – 1 xícara, cozida
266
Batata doce – 1 xícara, cozida
76
Feijão preto – 1 xícara, cozido
102
Grão de bico – 1 xícara, cozido
80
Feijão branco – 1 xícara, cozido
120
Lentilha – 1 xícara, cozida
38
Feijão carioca – 1 xícara, cozido
79
Soja (grão) – 1 xícara, cozida
175
Tofu – ½ xícara, cru
253
 *Traduzido do livreto Vegetarian Starter Kit, publicado pela Physicians Committee for Responsible Medicine (PCRM – http://www.pcrm.org – tradução livre: Comissão Médica para uma Prática Responsável)**Sempre faça acompanhamento periódico de sua saúde com um médico.

 

Receitas

Farofa de cenoura

Essa receita é um xodó meu, foi a primeira receita que anotei no meu caderno de receitas e eu aprendi com minha amiga querida Nancy.

2

Ela é uma farofa fria (não vai para o fogão), muito prática de fazer e vai muito bem para aquele dia em que você vai receber um batalhão de visitas em casa.

Ingredientes

3 cenouras raladas no ralo grosso

1 cebola picada em cubinhos

1 xícara de farinha de rosca

3 xícaras de farinha de mandioca torrada

1 xícara de óleo de girassol

1/4 de xícara de azeitonas verde e roxa picadas

Vinagre de vinho branco

Orégano e sal a gosto

 

Modo de fazer

Para começar, coloque a cebola e uma pitada generosa de orégano de molho em uma mistura de água com vinagre de vinho branco (também pode ser o de álcool), meio a meio, por uns 15 minutos. Escorra a cebola numa peneira e dê uma lavada para retirar o excesso de vinagre. Agora vem a parte mais difícil da receita: misture todos os ingredientes numa vasilha e acerte o sal. Está pronta a sua farofa! Conserve ela na geladeira até a hora de servir.

 

Dicas Fantásticas

Por que consumir linhaça e chia?

10-a

Ao longo dos anos, as gorduras sempre tiveram uma má reputação, até pesquisas descobrirem uma certa família de gorduras insaturadas chamadas de Ômegas.

As gorduras polinsaturadas incluem o Ômega-3 e o Ômega-6 e o seu corpo não os fabrica. Você tem que adquiri-los pelo o que você come. Enquanto o Ômega-6 é relativamente fácil de encontrar (óleos de girassol, soja, milho), o Ômega-3 não. A ingestão de Ômega-3 auxilia na diminuição dos níveis de triglicerídeos e do LDL (colesterol ruim), além de desempenhar um papel fundamental nas atividades elétricas e funções mecânicas do seu coração.

Em alguns países, há recomendações para a ingestão de Ômega-6 e 3, variando de 3:1 até 5:1. Mas no caso da “dieta americana moderna” essa ingestão pode chegar até 20:1 com o abuso de alimentos de origem animal, frituras e excesso de gorduras.

Para nós, veganos (e também para os vegetarianos) e linhaça (ou o óleo de linhaça) e a chia são uma fonte riquíssima de Ômega-3. Na chia, além do Ômega-3, você encontra cálcio, ferro e potássio. A porção de 100g de linhaça contém 32,3g de gordura e a chia 30,74g.

Aprenda a usar as sementes no seu dia a dia, elas podem ser misturadas a sucos, saladas de folhas, vitaminas, mingaus, pães, salada de frutas, massa de panqueca, tapioca, substituindo ovos em uma receita de bolo etc etc.

Receitas

Pesto de tomate com manjericão

 

Eu sou viciada em massas, amo, sou louca alucinada, faço qualquer negócio por um macarrão (!!!!) e adoro variar nos molhos. Esse molho é muito rápido de ser feito e vai impressionar suas visitas. Ele pode ser armazenado na geladeira por 4 dias.

007

Ingredientes

2 tomates médios maduros

½ xícara de castanhas de cajú

¼ de xícara de água

2-3 colheres de sopa de azeite

2 dentes de alho picados

1 punhado grande de folhas de manjericão frescas

Sal e pimenta do reino a gosto

 

Modo de fazer

No liquidificador, coloque os tomates cortados em pedaços grandes, as castanhas e a água. Bata até ficar cremoso.

Adicione o azeite em uma panela em fogo baixo. Adicione o alho e refogue até dourar. Cuidado para não queimar. Despeje o molho do liquidificador na panela, adicione o sal e a pimenta do reino e cozinhe por uns 4-5 minutos, mexendo ocasionalmente. Adicione o manjericão no final e misture.

Lixo zero

5 Passos para produzir menos lixo

Ano novo, metas novas! No final de 2016 me dediquei a aprender mais um pouco sobre meu próprio lixo: de onde ele vem e pra onde ele vai. Isso só gerou uma vontade enorme de viver uma vida lixo zero, buscando alternativas de consumo, aumentando meu cuidado para evitar desperdícios e mudando alguns velhos hábitos.

229
Tirinha do site Um Sábado Qualquer

 

Vou compartilhar com vocês 5 passos básicos que estão me ajudando a me manter mais sustentável no longo prazo. Eu os pratico exatamente nessa ordem:

1 – Recusar – Aprenda a dizer não. Simples assim! Desde aquele monte de e-mails que você nunca lê e enchem a sua caixa de entrada, até o saquinho que te entregam na farmácia, ou os alimentos industrializados que você consome e que são cheios de embalagens. O Brasil produz 63 milhões de toneladas de lixo por ano e a cada ano esse número aumenta. Quanto mais industrializados consumimos, mais embalagens jogamos fora.

2 – Reduzir –  Reduza o que você precisa para viver. Você pode até pensar que precisa de muita coisa, mas isso não é verdade. Analise cada aspecto da sua casa e da sua vida: você usa todas as suas roupas? você realmente precisa de um produto de limpeza para cada canto da casa? você precisa comprar tantos cremes e maquiagem? A resposta para todas essas perguntas é não. A produção de todos esses produtos gera uma quantidade enorme de resíduos que é jogado na natureza. Eu sugiro você assistir o documentário The True Cost (tem na Netflix)

3 – Reutilizar – Aprenda a levar sacolas retornáveis com você aonde for. Eu carrego uma bem dobradinha dentro da bolsa.  Algo quebrou? Conserte. Dê preferência para comprar produtos usados. Reaproveite vidros no lugar de recipientes plásticos.

4 – Reciclar – O princípio básico da reciclagem é: procure reciclar cada vez menos, diminuindo seu consumo. Você sabia que nem todos os plásticos tem chance de ser reciclados? 1/3 da população brasileira não faz ideia onde vai parar todo o lixo que ela produz diariamente. A maior parte do lixo produzido no Brasil vai parar em lixões e aterros sanitários e quase todos já chegaram no seu limite máximo.

5 – Compostar – Você sabia que uma família de classe média joga fora cerca de meio quilo de alimentos por dia? Procure uma feira no seu bairro, ou participe de feiras orgânicas e faça suas compras com carinho para evitar desperdício. Na compostagem entram os alimentos crus (restos e cascas de legumes, verduras e frutas), mas não alimentos já cozidos e temperados. Então planejar o cardápio da semana ajuda muito a não gerar desperdício. E aprenda a aproveitar as sobras, dê um novo sabor para o resto do almoço do domingo, por exemplo.

Uma vida lixo zero, é uma vida de simplicidade voluntária, baseada em experiências e no ser, nunca em posses. Nesse início de aprendizagem, o que mais me ajudou foi a consciência que a responsabilidade do lixo que eu gero é minha. Se eu compro um produto X, eu estou patrocinando todos os valores que aquela marca prega, então resolvi empregar meu dinheiro em produtos e marcas mais sustentáveis, que se alinhem com os meus valores e com o mundo que em que eu quero viver.